Onicomadese – Já ouvir falar??

 

onicomadese

 

Vou começar este post contando um pouco do que aconteceu nos últimos meses de 2014 para vocês entenderem como cheguei até a onicomadese.

Em outubro Tereza apresentou varicela, também conhecida como catapora. Graças às duas doses de vacina, a doença veio muito branda. Apenas algumas bolhas na região da fralda e umas poucas nas pernas e costas. Tereza não teve febre nem coceira. Foi super tranquilo.

No início de novembro nos deparamos com um quadro de Roséola, também causada por um herpes vírus, assim como a varicela. E desta vez o bicho pegou mesmo! Foram 4 dias de febre super alta (perto de 40°C), inflamação da garganta, muito desconforto, perda de apetite, apatia e “bolinhas” por todo corpo. As bolinhas apareceram apenas no 4° dias, quando a febre começou a baixar.

Bom, sobrevivemos… E 15 dias depois, quando achei que poderia respirar tranquilamente, PIMBA!!! A tal da ONICOMADESE.

Percebi que uma das unhas dela estava esbranquiçada próximo à cutícula. Imaginei que seria consequência de algum trauma, já que a mocinha não para quieta e vive fazendo arte. Dois dias depois percebi o mesmo acontecendo em várias outras unhas das mãos e dos pés. E foi quando me apavorei.

onicomadese

 

Em consulta com dermatologista consegui entender o que havia acontecido: devido à febre alta, ocorreu um tipo de “inflamação” na região onde as unhas são produzidas e isso gerou uma falha no desenvolvimento das unhas. Quando as unhas voltaram a crescer, foram empurrando essa “falha” e com isso ocorreu o descolamento das unhas.

Tereza perdeu cerca de 10 unhas das mãos e dos pés. Em aproximadamente 2 meses todas as unhas já haviam crescido e sem nenhum defeito aparente.

Segundo o dermatologista, não existe tratamento nem prevenção. Outros quadros de febre alta podem causar a onicomadese.

Foi um quadro completamente indolor (apesar de absurdamente aflitivo) e sem grandes consequências. Confesso que sofri muito mais do que ela.

Decidi dividir isso com vocês pois acredito que muita gente nunca ouviu falar nisso, assim como eu. Foi assustador no começo, mas muito tranquilo depois.

Espero ter ajudado e orientado mais um pouquinho com a minha humilde experiência nesse mundo mágico da maternidade. =)